bombeirodedeus

Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

Sinto orgulho de ser Mãe ...

Obrigado filho, por teres...

O drama de um Bombeiro...

A essênçia de um Bombeiro...

O BOMBEIRO e o DOUTOR

Incêndio em Sintra 2007

Sangue de herois...

São apenas homens que arr...

Ele (bombeiro) morreu por...

pesquisar

 

arquivos

Setembro 2013

Junho 2012

Maio 2012

Maio 2011

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Domingo, 2 de Dezembro de 2007

Sinto orgulho de ser Mãe de um Bombeiro!!!

 

É com muito orgulho que hoje publico um poema escrito pela minha mãe, dedicado a mim e a todos os bombeiros do Mundo.
A minha Mãe é uma mulher muito forte, e admirável.
É a mulher que eu mais admiro e quem eu mais amo neste mundo.

Bombeiro tu és um guerreiro
Es Anjo sempre presente
Apesar de seres humano
Também és muito carente

Lutas com bastante audácia
E valentia sem fim
Bombeiro tu és um herói
Que merecias ser feliz

Pelos os outros estás sempre lutando
Tens a vida sempre em risco
Não deixas de ser quem és
Sinto orgulho e deixo escrito

Quantas vezes sem comer
A correr pró hospital
Levando pessoas quase a morrer
Para as poderem, salvar

Sinto orgulho DE SER MÃE
Deste filho que Deus me deu
Pondo a vida dos outros em primeiro lugar
Pensando também nos seus

Corre corre sempre a correr
Para estar em todo o lado
Assim são os bombeiros do Mundo
Que passam um mau bocado

As pessoas pensam nos bombeiros
Quando estão em aflição
Também se deviam lembrar deles
Neste Natal pois então

de Maria Amélia

publicado por bombeirodedeus às 16:34

link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Quarta-feira, 14 de Novembro de 2007

Obrigado filho, por teres salvo outro filho meu...

No mostruário ambulante de centenas de rostos que cruzam connosco nas ruas, praças avenidas, “ele” é apenas um homem comum como outros tantos desconhecidos.

 

A sua presença faz parte de um contexto, de um minuto ou um segundo no vaivém de vários destinos... Apenas uma farda e um cinturão vermelho o difere dos demais! É um Bombeiro... praticante assíduo de uma profissão árdua, cuja missão solidária é o seu lema de vida.
Nada o impede na luta de salvar vidas, nada o faz recuar no instante em que alguém pede a sua presença, nada é capaz de detê-lo em plantar novas esperanças no momento da dor, da lágrima e do perigo.

 

Sem ostentar louros ou vaidades, o Bombeiro dificilmente sabe enumerar as vidas que salvou... No instante do sinistro ou da desgraça, a sua presença é como um bálsamo a aliviar o desespero e a agonia daqueles que necessitam de ajuda, mesmo que muitas vezes esse socorro venha a lhe custar a própria vida.

 

Quantas outras vezes, também, a sua possível “demora” em chegar ao local onde foi solicitada a sua presença é criticada, sem que seja, no entanto, analisada a distância entre o sinistro e o seu reduto de trabalho... Mas, nada disso importa ao Bombeiro! O importante é que ele não falha, não foge ao grito de apelo, não ignora jamais o seu aprendizado disciplinar, cuja missão o enobrece perante os valores da vida. E quando debeladas as agonias e renascidas outras esperanças, ele, o Bombeiro, volta ao seu Quartel.

 

A sua farda e o seu cinturão vermelho trazem o pó, o resíduo ou a água do trabalho realizado e da missão cumprida.
E o que impressiona nesse Homem herói é a sua humildade que nem sequer lhe faz pensar numa medalha ou num voto de agradecimento.
Afinal, ele sabe muito bem que lá do alto uma voz lhe fala ao coração dizendo carinhosamente: “obrigado filho, por ter salvo outro filho meu”.

publicado por bombeirodedeus às 15:07

link do post | comentar | favorito
Sábado, 27 de Outubro de 2007

O drama de um Bombeiro...

                                         

“O CMTE perguntou-me naquele dia, porque é que eu me estava a afastar dos bombeiros.

Eu disse-lhe que o meu psicológico já não me ajuda, e ele completou dizendo que ninguém se acostuma a ver desgraças!

A mais pura e limpa verdade, porque eu não me acostumei.

Chorei inúmeras vezes por não compreender porque Deus busca os nossos companheiros do mundo de forma tão brutal! Compreendo que a morte é necessária para o crescimento espiritual, mas será que Deus não pode buscar os espíritos enquanto estão a dormir e a sonhar, assim a viajem da morte parecia-lhes mais um capítulo do sonho!

Então não haveriam mais crianças acordadas, sentadas no meio dos destroços, ao lado dos seus pais desfigurados perguntando a um bombeiro já atordoado, se ele, pequeno e inocente, não estava a sonhar imaginando que o bombeiro fosse um anjo!

Talvez realmente o sejam um pouco, há quem afirme que sim, e mesmo os bombeiros se regozijam com frases que dizem: “Enquanto todos fogem do perigo nós vamos de encontro a ele. Enquanto todos gritam, nossas vozes bradam em silêncio!”.

Há também quem diga: “Que Deus nos abençoe e os anjos guiem nossas mãos em nossos procedimentos”
Há sim um tanto de irreal naquelas almas. Como explicar que alguém possa sentir paixão por não poder dormir tranquilamente, alimentar-se em horários incertos, sair sem a certeza de voltar, deixar a sua família com um beijo sem a certeza de que poderá beijá-los novamente! Diga-me se não há algo de angelical nesses actos?
Por vezes já me fez chorar a bravura de homens e mulheres, contando as suas experiências, suas surpresas, vitórias e tragédias, mas ainda assim eu vi, por traz de lágrimas, um brilho nos olhos, uma alegria incontida, não pelo que presenciou, mas pelo seu acto, por poder estar ao lado de alguém que precisava de auxílio! E ainda assim quando lhe agradecem responde que não fez nada além do seu dever!

E onde está escrito que é seu dever ser um bombeiro?

publicado por bombeirodedeus às 22:53

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

A essênçia de um Bombeiro...

                                                   

Ele poderia ser engenheiro, pedreiro, motorista, escritor, advogado, ao invés disso escolheu ser um bombeiro e ter a sua vida cheia, de choro, sangue, óleo, vidro, fogo, pedidos de socorro e muitas noites mal dormidas, porque a essência de ser bombeiro persegue-o, vem como cinzas de uma residência, chapa retorcida de um carro, olhos suplicantes, choro de dor, até mesmo o rosto de alguém que Deus levou consigo!
Quem não olha um bombeiro nos olhos nunca verá essa essência, nem verá onde está escrito que ele deve ser um bombeiro, porque isso, meus amigos, está escrito na sua alma! E só compreende isso quem já sentiu a inexplicável sensação de salvar uma vida, ou quem também é bombeiro!
Não deixes a essência se consumir nas chamas, derramar-se com o sangue, guarda-a no teu coração, só assim cumprirás a tua missão com toda a dignidade.
Não só pela farda, não só pelas crianças que te pedem pra ligar a sirene, não só pelas pessoas que te chamam de herói, mas pelo amor que sentes pela tua farda, pelas crianças, pela sirene e principalmente pelo teu próximo.

publicado por bombeirodedeus às 22:21

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 27 de Agosto de 2007

O BOMBEIRO e o DOUTOR

Disse o médico ao bombeiro,

"Foste um grande aventureiro, no perigo não reparas-te a minha casa estava a arder e tu podias morrer quando o meu filho salvas-te, ao ouvires o meu queixume entras-te pelo meio do lume, bombeiro de grande brilho, não esquecerei como foi, bombeiro tu foste um heroi para salvares o meu filho, bombeiro foste um excelente obreiro, nem com o maior dinheiro pagava esse teu perigo, bombeiro a tua arte me atrai ao serviço deste pai, bombeiro tu foste um amigo."

 

Mais tarde meses depois, o destino juntou os dois com o bombeiro a chorar dizendo ao cirurgião.

"Doutor se é bom cristão, deve o meu filho salvar"

O doutor não exitou e o menino levou, tambem quis mostrar seu brilho.

"Sou um cristão verdadeiro, descansa amigo bombeiro que eu vou salvar o teu filho"

E assim o grande cirurgião com brilhante operação salva o filho do bombeiro,

E disse,

"Tambem salvei o teu menino, já viste o nosso destino vale mais que o dinheiro"

Amigos ficaram eternamente, exemplo que realmente, é fruto do redentor

Valentes enfrentaram os seus perigos, hoje não á maiores amigos

Que o BOMBEIRO e o DOUTOR.

Dedicado a todos os meus camaradas do Corpo de Bombeiros de Carnaxide em especial ao meu grande amigo LEVY...  

publicado por bombeirodedeus às 00:14

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Sábado, 25 de Agosto de 2007

Incêndio em Sintra 2007

Quinta-feira 23 de Agosto de 2007, 9 horas da manhã, mais um dia de trabalho, muito calor e como normalmente os grupos tanto o ECIN (equipa de combate a incêndios florestais) viatura VFCI 02, como o ELAC 1 (equipa logística de apoio ao combate)  viatura VTTF 03 estão na parada do quartel verificando todo o material das viaturas para que estejam operacionais assim que forem accionadas, o que tem acontecido demasiadas vezes estes últimos dias.

Às 10:40, toca o alarme para incêndio florestal, foram mobilizados o ECIN e o ELAC 1 e a primeira indicação que temos é para nos deslocarmos para Pernigem, Sintra.

Como sempre todos os elementos das equipas entram para dentro das viaturas e a adrenalina começa a subir “vamos a ele” diz um “ até o comemos” diz outro, e assim entre gritos e frases de alento vamos nos concentrando para mais uma difícil missão que se avizinha.

Durante a viagem a alta velocidade e com os alarmes ligados, o silêncio invade o interior da viatura sentindo-se os níveis de concentração bastante elevados entre todos os elementos.

Á chegada a Magoito avistámos uma densa coluna de fumo o que nos deu desde logo a entender que o incêndio já lavrava com grande intensidade e via rádio entrámos em contacto com o posto de comando para sabermos o local exacto para onde nos devia-mos dirigir no teatro de operações.

Foi-nos transmitido que numa localidade chamada Pernigem estava uma viatura para nos guiar ao local exacto, e já com os níveis de adrenalina no máximo, olhamos uns para os outros com um enorme espírito de equipa, um olhar que transmite um misto de concentração e desejo que tudo corra pelo melhor.

Durante o trajecto nota-mos que o incêndio estava descontrolado, e devido ao forte vento que se fazia sentir ia-mos ter muito trabalho.

Dezenas de pessoas foram retiradas das suas habitações por motivos de segurança, assim como muitos animais e com muita aflição a população vai-nos fazendo sinais e grita “é para aqui é para aqui, o fogo está a chegar à minha casa” sem entenderem porque nós passamos e não os ajudamos, o que para nós é difícil, mas seguimos ordens e a nossa missão era mais à frente junto a um vale em Gouveia onde existiam muitas habitações em risco.

Chegou o grande momento o momento em que ficamos entregues a nós próprios e a Deus. Recebemos ordens do comandante “entrem neste caminho e façam tudo para proteger a casa que está mais abaixo e tentem não deixar passar o incêndio pra cima”.

Estava muito calor e com o fumo denso não se via nada mas já estamos habituados, logo entramos dentro de um portão que deu acesso à casa e já lá estavam mais duas viaturas auto tanques.

Começou o grande combate entre nós bombeiros e as labaredas enormes que consumiam carrascos e pinheiros com grande velocidade.

É indescritível o que se sente naquele momento, ficamos completamente entregues a nós próprios, deixei de ver os meus colegas e com o enorme barulho que existe entre gritos e o trabalhar das bombas das viaturas não se consegue ouvir nada.

-“Preciso mais pressão, monta mais uma linha de agua, cuidado do lado direito o fogo está a chegar aí”, isto tudo são gritos que se ouvem debaixo de um fumo intenso que não nos deixa quase respirar, o calor queima nossa pele debaixo das fardas e só a agua deitada por cima de nós mesmos nos arrefece.

 

Conseguimos salvar a casa mas não conseguimos o objectivo que era impedir que o incêndio continuasse, mas ficamos muito felizes quando vimos que estava-mos todos ali, sujos cansados mas vivos.

A nossa missão continuava por ali porque agora era preciso efectuar o rescaldo para garantir que com o vento não houvesse reacendimentos.

Com o passar das horas chegava aquilo que nos dificulta mais a mobilidade que é a falta de comer.

Já passava das15 horas e nós só com o pequeno-almoço e sem ter a certeza a que horas íamos comer.

Com a casa salva era preciso consolidar o rescaldo naquela zona para garantir que não houvesse reacendimentos mais tarde.

Recebemos novas ordens para entrarmos numa picada um caminho cheio de pedras, desnivelado muito apertado, para apagarmos um reacendimento mais abaixo, e o que é muito raro acontecer aconteceu, um pneu traseiro do nosso veículo florestal rebentou.

Ficamos todos desesperados porque com tanta fome e ainda com tanto trabalho pela frente tínhamos agora que trocar a roda o que não iria ser nada fácil devido ao terreno muito ingreme.

Passou 1 hora e conseguimos ter novamente o veículo operacional embora sem pneu suplente mas com um pouco de sorte não iria acontecer outra igual.

Regressados à estrada para abastecer de água a nossa viatura, fomos informados para nos dirigirmos para Nafarros que estava lá o nosso comandante de divisão para novas ordens.

Eram 17 horas e chegados ao local nem nos perguntaram como estava a viatura ou se já tínhamos comido alguma coisa, o que nos disseram foi isto: “ dirijam-se para aquela frente de fogo e acabem com ela”.

O forte vento que se fazia sentir, proporcionou um violento desenvolvimento do incêndio, que com o feno, e carrascos enormes, ganhou uma dimensão de grande envergadura, e tínhamos que evitar que a frente de fogo não atingisse o Parque Natural Sintra Cascais. Valendo a nossa intervenção musculada, dos meios aéreos e de mais de trezentos bombeiros conseguimos que o incêndio ficasse circunscrito pelas às 20H00

Quase 20:30 voltámos à estrada e fomos abastecer a nossa viatura a um auto tanque que ali se encontrava para nos dar apoio, estávamos completamente cansados e cheios de fome e como é normal desesperados porque sem comer não se consegue trabalhar nas devidas condições.

Ninguém sabia dizer onde poderíamos comer alguma coisa e por sorte os nossos colegas que estavam no auto tanque tinham dois sacos com quatro sanduíches e duas peças de fruta o que para nós cinco foi como um manjar dos Deuses.  

 

Estávamos a comer dentro da viatura, quando chegou um comandante e nos disse, “dirijam-se para Gouveia que houve um reacendimento”.

Lá fomos nós porque sabíamos que agora tínhamos que fazer um rescaldo bem feito para que não houvesse mais reacendimentos.

Eram 22 horas quando chegaram as nossas colegas, com frango assado pão e sumo para a nossa alimentação, que foi devorada com sofreguidão ali mesmo em pé junto da viatura.

E pronto, ficamos preparados para uma longa noite de prevenção e rescaldos.

publicado por bombeirodedeus às 16:15

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Domingo, 19 de Agosto de 2007

Sangue de herois...

A dificuldade e a dor alimentam a coragem. Não podes ser realmente um bravo se tiveste somente momentos maravilhosos.
A vida mostra-nos que a alegria de alguns reflecte a tristeza de muitos, mas ensina-nos também o valor da amizade, do companheirismo, da garra, mostrando que hoje em dia é rara a beleza da união.
Assim de uma ordem mundial, Bombeiro, irmãos no mundo, família única, onde a perda de algum membro toca a todos, hoje quero homenagear todos os Bombeiros que partiram e não podem nunca ser esquecidos, pois a sua vida connosco foi de exemplos que preferimos sempre tocar na parte positiva.
A todos os heróis que doaram sua vida ao próximo seguindo fielmente o juramento feito diante de DEUS, pedimos que aonde estiverem recebam esta homenagem.
Ser bombeiro é ser guerreiro, é não ter medo de enfrentar o próprio medo, entrar em locais onde poucos conseguem, apenas para trazer um filho de volta não importa a situação, não importa a dificuldade, importa somente o amor à profissão, que somente a poucos chegam, uma vocação, um pacto, uma só vontade, uma só verdade escolha do coração.
Ser bombeiro é ser diferente, nem anjo nem herói, apenas amar demais, o suficiente para arriscar a própria vida, mas ter a certeza de que alguém vai sorrir ou ter sua tristeza amenizada, é saber ouvir, saber calar quando a situação fica difícil, é crescer agigantar quando tiver que tomar uma decisão, é assumir a liderança quando muitos não sabem o que fazer, é ser soldado é ser general quando se pede uma acção.
É ser pai num abraço fraternal.
Que DEUS abençoe cada momento em suas vidas, e tenham a certeza de que nada, nunca nada será em vão.

publicado por bombeirodedeus às 00:19

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 15 de Agosto de 2007

São apenas homens que arriscam suas vidas...

Não!.. Não!..
Não ganham
milhões
nem sequer
tostões.
São apenas
homens,
que lutam e
arriscam
as suas vidas
para salvar as
dos outros.
Sim!..Sim!..
São os nossos
heróis,
que não têm
placa
rua ou
avenida
com o seu nome,
têm apenas o
dever de defender,
o do amor à
causa,
aquela em que
acreditam
que é a de ser
bombeiro!

publicado por bombeirodedeus às 21:48

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 14 de Agosto de 2007

Ele (bombeiro) morreu por mim...

Este é um caso impressionante ocorrido numa cidade da Europa central.
Tudo aconteceu quando uma casa, onde residia uma pequena família, pegou fogo. Além de alguns moradores, viviam ali uma viúva e sua única filha, de alguns anos de idade.
Quando irrompeu o incêndio, a menina estava a dormir sozinha, uma vez que a mãe tinha saído para fazer compras. Avisados pelos vizinhos, enquanto as labaredas consumiam tudo quanto era inflamável, os bombeiros chegaram e começaram a combater o fogo, como sempre o faziam, heroicamente.
No entanto, no meio de todo aquele alvoroço, aparece a pobre mãe, aos gritos, já desesperada, chamando pela filha, tentando penetrar na casa em chamas, a fim de salvá-la.
Impedindo-a porém, o comandante dos bombeiros disse-lhe que se entrasse na casa naquelas circunstâncias, seria morte certa.
No mesmo instante, apareceu um bombeiro pedindo permissão para entrar e procurar a criança, mas também foi impedido pelo seu comandante. Ainda assim, o bravo soldado do fogo, replicando, perguntou-lhe: Eu também tenho uma pequena menina em casa. Se fosse ela que agora estivesse lá dentro em perigo de vida, eu não poderia tentar salvá-la? Como não obteve resposta negativa, o bombeiro lançou-se para dentro da casa em chamas, e foi procurar a menina.
Com efeito, correndo um grande risco de vida, subindo pelo que ainda restava da escada em labaredas, o bombeiro encontrou a menina que acabava de acordar, assustada e chorando, já quase sufocada pelo fumo. Enquanto, porém, a retirava do berço, protegendo-a sob seus braços fortes, eles ouviram um estrondo. Era a escada que, consumida pelo fogo, acabava de desabar, impedindo que o heróico soldado pudesse descer, vindo assim a salvar a criança.
Indo para o outro quarto, a fim de tentar escapar por uma janela que se encontrava aberta, percebeu que isso seria impossível, uma vez que dos armários, camas e colchões formava uma grande labareda, impedindo-os de chegar à janela. Desesperado, ele procurou outras saídas, mas não encontrou.
Voltando-se porém para o quarto em chamas, o bombeiro gritou para os companheiros com grande voz: camaradas, vocês estão me ouvindo? Tendo obtido resposta positiva, ele gritou de novo: Estendam o pano próximo da janela, por onde eu lançarei a menina. Ouviram? Eles disseram que sim e prepararam o pano como o bombeiro tinha pedido.
Logo em seguida, gritaram: Estamos prontos. Por fim, o bombeiro, com grande esforço, jogou a menina, fazendo-a voar pela janela. Preparados do outro lado, abaixo, estavam os bombeiros que, para a alegria de todos, a recolheram com total segurança. A mãe da criança e todos os presentes, emocionados, chorando, diziam: Ela está salva.
A alegria, porém, durou pouco, uma vez que, desmoronando-se a casa em chamas, o bombeiro, herói e salvador, ficou sepultado sob os destroços flamejantes. Nada mais podiam fazer. Ele morreu para salvar a menina.
Tendo passado 20 anos, numa tarde ensolarada daquela cidade, o administrador do cemitério local notou que uma jovem triste, chorando silenciosamente, estava em pé, curvada diante de uma sepultura, em cuja lousa tumular estava escrito o nome de alguém. Em seguida, abaixando-se, colocou uma coroa de flores sobre a tumba fria e retirou-se.
Curioso, o administrador aproximou-se e perguntou-lhe de quem era a lápide, sobre a qual ela estava chorando. Era do seu pai? Da sua mãe? Do seu irmão? Ela respondeu: Não, não é do meu pai, nem da minha mãe, nem do meu irmão. E prosseguindo, ainda com lágrimas nos olhos, disse-lhe a jovem: É do homem que, em sacrifício, se ofereceu para me salvar de um terrível incêndio. Na verdade, ele morreu por mim.
É compreensível que alguém possa ter uma tão grande gratidão, como demonstrou aquela jovem a respeito do bombeiro que fora o seu salvador, que a libertou do fogo e da morte. Nada mais justo do que tão sincera homenagem.

publicado por bombeirodedeus às 14:53

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

as minhas fotos

links

subscrever feeds