bombeirodedeus

Setembro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

A BEM DA HUMANIDADE

Quero ser bombeiro até mo...

DIA INTERNACIONAL DO BOMB...

Em honra de todos os meus...

Sinto orgulho de ser Mãe ...

Obrigado filho, por teres...

A triste realidade... se ...

O drama de um Bombeiro...

A essênçia de um Bombeiro...

BOMBEIRO

pesquisar

 

arquivos

Setembro 2013

Junho 2012

Maio 2012

Maio 2011

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Terça-feira, 14 de Agosto de 2007

Ele (bombeiro) morreu por mim...

Este é um caso impressionante ocorrido numa cidade da Europa central.
Tudo aconteceu quando uma casa, onde residia uma pequena família, pegou fogo. Além de alguns moradores, viviam ali uma viúva e sua única filha, de alguns anos de idade.
Quando irrompeu o incêndio, a menina estava a dormir sozinha, uma vez que a mãe tinha saído para fazer compras. Avisados pelos vizinhos, enquanto as labaredas consumiam tudo quanto era inflamável, os bombeiros chegaram e começaram a combater o fogo, como sempre o faziam, heroicamente.
No entanto, no meio de todo aquele alvoroço, aparece a pobre mãe, aos gritos, já desesperada, chamando pela filha, tentando penetrar na casa em chamas, a fim de salvá-la.
Impedindo-a porém, o comandante dos bombeiros disse-lhe que se entrasse na casa naquelas circunstâncias, seria morte certa.
No mesmo instante, apareceu um bombeiro pedindo permissão para entrar e procurar a criança, mas também foi impedido pelo seu comandante. Ainda assim, o bravo soldado do fogo, replicando, perguntou-lhe: Eu também tenho uma pequena menina em casa. Se fosse ela que agora estivesse lá dentro em perigo de vida, eu não poderia tentar salvá-la? Como não obteve resposta negativa, o bombeiro lançou-se para dentro da casa em chamas, e foi procurar a menina.
Com efeito, correndo um grande risco de vida, subindo pelo que ainda restava da escada em labaredas, o bombeiro encontrou a menina que acabava de acordar, assustada e chorando, já quase sufocada pelo fumo. Enquanto, porém, a retirava do berço, protegendo-a sob seus braços fortes, eles ouviram um estrondo. Era a escada que, consumida pelo fogo, acabava de desabar, impedindo que o heróico soldado pudesse descer, vindo assim a salvar a criança.
Indo para o outro quarto, a fim de tentar escapar por uma janela que se encontrava aberta, percebeu que isso seria impossível, uma vez que dos armários, camas e colchões formava uma grande labareda, impedindo-os de chegar à janela. Desesperado, ele procurou outras saídas, mas não encontrou.
Voltando-se porém para o quarto em chamas, o bombeiro gritou para os companheiros com grande voz: camaradas, vocês estão me ouvindo? Tendo obtido resposta positiva, ele gritou de novo: Estendam o pano próximo da janela, por onde eu lançarei a menina. Ouviram? Eles disseram que sim e prepararam o pano como o bombeiro tinha pedido.
Logo em seguida, gritaram: Estamos prontos. Por fim, o bombeiro, com grande esforço, jogou a menina, fazendo-a voar pela janela. Preparados do outro lado, abaixo, estavam os bombeiros que, para a alegria de todos, a recolheram com total segurança. A mãe da criança e todos os presentes, emocionados, chorando, diziam: Ela está salva.
A alegria, porém, durou pouco, uma vez que, desmoronando-se a casa em chamas, o bombeiro, herói e salvador, ficou sepultado sob os destroços flamejantes. Nada mais podiam fazer. Ele morreu para salvar a menina.
Tendo passado 20 anos, numa tarde ensolarada daquela cidade, o administrador do cemitério local notou que uma jovem triste, chorando silenciosamente, estava em pé, curvada diante de uma sepultura, em cuja lousa tumular estava escrito o nome de alguém. Em seguida, abaixando-se, colocou uma coroa de flores sobre a tumba fria e retirou-se.
Curioso, o administrador aproximou-se e perguntou-lhe de quem era a lápide, sobre a qual ela estava chorando. Era do seu pai? Da sua mãe? Do seu irmão? Ela respondeu: Não, não é do meu pai, nem da minha mãe, nem do meu irmão. E prosseguindo, ainda com lágrimas nos olhos, disse-lhe a jovem: É do homem que, em sacrifício, se ofereceu para me salvar de um terrível incêndio. Na verdade, ele morreu por mim.
É compreensível que alguém possa ter uma tão grande gratidão, como demonstrou aquela jovem a respeito do bombeiro que fora o seu salvador, que a libertou do fogo e da morte. Nada mais justo do que tão sincera homenagem.

publicado por bombeirodedeus às 14:53

link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De xucarita a 14 de Agosto de 2007 às 15:15
Realmente existem pessoas que não sabem agradecer o bem k estes homens/mulheres fazem ao combater chamas, ir socorrer feridos etc. Eu sei o k isso é pois sou casada com um ex-bombeiro que o foi durante dez anos, mas uma vez que esta profissão de bombeiro no nosso pais quase não dá para sobreviver ele resolveu retirar-se pois nasceu a nossa princesa, mas a garra, a força, a coragem essa continua viva dentro dele, que um dia irá voltar concerteza. Ele só de ouvir uma sirene vibra.
Um bem haja para si que escolheu um blog muito bom para se falar.
Cpts.
Ana
De Carla a 11 de Agosto de 2010 às 19:20
Boa tarde. Sou jornalista e procuro pessoas que tenham um heroi, alguém que as salvou de um momento de aflição que poderia, até, levar à morte. Li este testemunho que me tocou profundamente. Será que sabe quem são os protagonistas desta história? Entre em contacto para o 214340418

Comentar post

as minhas fotos

links

subscrever feeds